24 outubro, 2006

Celular pode causar esterilidade em homens, diz estudo


O uso de telefones celulares pode prejudicar a produção de sêmen nos homens e causar esterilidade, segundo um estudo do Centro de Pesquisa Reprodutiva dos Estados Unidos publicado nesta terça-feira na imprensa britânica.

As ondas emitidas pelos celulares podem diminuir a quantidade, mobilidade e qualidade do esperma em quase 50%, até o ponto de alguns homens poderem ficar estéreis, diz a análise do centro de Cleveland, Ohio.

Quase 1 bilhão de pessoas no mundo todo utiliza celulares e em alguns países a quantidade cresce de 20% a 30% ao ano, segundo a imprensa britânica.

Os cientistas examinaram o esperma de 364 homens com problemas de fertilidade, de acordo com o estudo. Eles descobriram que os homens que mais usavam os celulares, com mais de quatro horas por dia, tinham a menor quantidade de esperma, 50 milhões por mililitro. A quantidade era maior (86 milhões por mililitro) e saudável entre os que não utilizavam o celular.

O estudo foi feito em Mumbai, na Índia, onde os celulares não são utilizados por todos os grupos sociais. O professor Ashok Agarwal, diretor da pesquisa, disse que "nos quatro parâmetros (quantidade, mobilidade, viabilidade e morfologia) havia significativas diferenças entre os grupos".

"O povo utiliza telefones celulares sem pensar nas conseqüências. Os celulares podem ter um efeito devastador na fertilidade. Ainda tem que ser provado, mas pode ter um grande impacto, porque eles hoje são parte de nossas vidas", afirmou Agarwal.

Segundo a análise, alguns dos homens que mais utilizavam o celular tinham uma quantidade de esperma abaixo de 20 milhões por mililitro, limite que a OMS (Organização Mundial da Saúde) define para a infertilidade.

A análise, apresentada ontem à Sociedade Americana para a Medicina Reprodutiva em Nova Orleans, renovará as preocupações sobre a segurança dos celulares, diz hoje o jornal britânico "The Independent".

Fonte: Folha Online

2 Comments:

At 1:47 PM, Anonymous Charles Goodwell said...

Desde o advento dos celulares nos anos 90, diversas notícias sobre os efeitos nocivos das ondas de rádio apareceram na Imprensa. A maior parte das notícias ignora que existem centros de pesquisa que analisa esses efeitos utilizando critérios rigorosos e atualizados para cada nova tecnologia que aparece no mercado. Considerando que os celulares utilizam nanotecnologia, com irradiações em baixíssima potência quando comparados com outros transmissores existentes nas cidades, a obcessão por atribuir um efeito maligno a estes aparelhos provém sempre de regiões subdesenvolvidas do planeta. Sabe-se atualmente que os efeitos nocivos da irradiação eletromagnética ocorrem com níveis de potência centenas de vezes mais elevados do que a potência dos rádios em operação.

 
At 12:20 AM, Blogger Jairo said...

Charles!
A matéria é realmente polêmica. Nesse sentido vale a pena ler uma reportagem publicada no Times Online relatando resultado de pesquisas recentes.
http://www.timesonline.co.uk/article/0,,2-1436543_1,00.html

 

Postar um comentário

<< Home