15 setembro, 2008

Socorro, meu filho não pára quieto!

Crianças com excesso de irritabilidade, falta de concentração e impulsividade podem se enquadrar entre os pequenos com hiperatividade.

Agitação, dificuldade de concentração, impulsividade e instabilidade emocional além do normal podem ser alguns dos indícios de que a criança seja hiperativa. Segundo pesquisas na área médica infantil, cerca de 3% a 6% das crianças no mundo têm hiperatividade, e entre cada dez, nove são meninos. Mas, muita calma, nem sempre a criança enérgica, "peralta" e "arteira" é portadora da síndrome.

A diferença entre uma criança normal e uma com diagnóstico de hiperatividade é quando certos comportamentos não provocam prejuízos na vida social e familiar do indivíduo. Se a criança não apresenta distração, impulsividade, agitação e agressividade constante, ela não se enquadra na classe dos hiperativos. "Entretanto, se os pais tiverem alguma dúvida, o melhor caminho é que um psiquiatra e uma equipe de outros profissionais, como fonoaudiólogo e psicólogo, certifiquem-se do problema", alerta a psicóloga infantil Maria Tereza Campos.

De acordo com coordenador da unidade de infância e adolescência do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, Enio Roberto de Andrade, a hiperatividade está classificada dentro das doenças mentais causadas por um problema genético. A doença é um transtorno que ocorre com as crianças na fase do desenvolvimento e muitas vezes só é percebido pelos pais no momento em que os filhos começam a vida escolar, já que é nesta fase que os responsáveis percebem a dificuldade de concentração e inquietação excedente da criança.

Ivete Vitar percebeu o problema no filho Daniel muito cedo, com dois anos de idade. "Ele não conseguia se concentrar, não parava quieto um só instante", indica a mãe. Ao levar o filho ao pediatra, Ivete foi encaminhada a um psicopedagogo que realizou diversos trabalhos comportamentais não só com Daniel, mas também com os pais. Após um longo tempo com idas e vindas de médicos, Ivete se adaptou à rotina do filho e conseguiu lidar perfeitamente com as atitudes da criança. Daniel tem o apoio dos professores na escola, que o ajudam da melhor forma possível com os problemas de concentração e agitação. "Hoje, o Daniel consegue ter uma vida normal, com disciplinas, responsabilidades e amigos", acrescenta Ivete. Segundo a psicóloga especialista em terapias corporais e jogos corporativos, Célia Bottura, a paciência, compreensão e amor dos pais são fundamentais na evolução do quadro clínico. "É uma fase que deve ser compreendida por todos. A criança necessita muito da ajuda dos pais", garante a profissional.

A criança hiperativa tem uma enorme energia acumulada, que deve ser gasta ao longo do dia para que não haja a irritabilidade por estar parada, sem fazer nada. Ela consegue fazer tudo ao mesmo tempo: olhar o amigo que brinca, assistir televisão, escrever e ouvir música. Ou seja, tem pique de sobra! Por isso, os profissionais sugerem que elas gastem toda a energia com atividades como futebol, skate, brincadeiras em parques, um pouco de videogame (somente jogos educativos), basquete, trabalhos com argila, etc. A psicopedagoga e coordenadora do Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento (CAD), Silvia Amaral, afirma que o transtorno acompanha o indivíduo ao longo da vida, mas que é controlado conforme o tratamento. "A hiperatividade é para toda a vida, alguns sintomas se transformam. Uma criança extremamente agitada deixa de ser quando adulto, mas adquire uma mente agitada, convivendo muito bem com isso", sinaliza.

Artur de Souza Gomes apresentou sintomas de hiperatividade logo quando entrou na escola, com quatro anos de idade. Após passar por acompanhamento psiquiátrico, terapias e homeopatia, o menino, agora com nove anos, não tem mais o comportamento agressivo dentro de casa e consegue acompanhar a turma na escola.

Os tratamentos da hiperatividade podem ser feitos à base de medicamentos (metilfenidato e ritalina), sessões de terapia e até mesmo com a medicina alternativa: a homeopatia. O importante é os pais perceberem os sintomas e encaminhar o filho o quanto antes para o acompanhamento de um bom profissional.

Como reconhecer se o seu filho é hiperativo:

Se ele freqüentemente agita as mãos, os pés ou se remexe na cadeira
Se ele abandona freqüentemente a cadeira na sala de aula ou em outras situações, nas quais espera-se que ele permaneça sentado.
Se ele tem dificuldade para brincar ou se envolver silenciosamente em atividade de lazer.
Se ele fala constantemente em demasia.

Características:

Baixa-tolerância.
Acessos de Raiva.
Comportamento "mandão".
Teimosia.
Insistência excessiva.
Instabilidade de humor.

Fonte: Guia da Semana - CAD - Andréia Meneguete

2 Comments:

At 6:18 PM, Anonymous Anônimo said...

Meu filho não fica quieto de forma alguma por bem, mas se eu disser que ele não verá mais desenhos e nem jogará games dai fica, não obedece a ninguém quando está agitado, é muito curioso,agora que foi pra escola percebi que está pior um pouco, na escola o comportamento e igual e as vezes pior de acordo com as educadoras, tem muita dificuldade de aprendizagem, dificuldade também em memorizar o que se ensina de imediato mas depois de um tempo aquilo que lhe foi ensinado ele repete sozinho sem que ninguém o pergunte, mas se alguém o perguntar ele não sabe repetir...todos os dias perco uma hora com ele para o ensinar e uma para brincar com ele pois trabalho e não tenho tanto tempo como deveria, o que faço?preciso de auxilio...

 
At 8:37 PM, Anonymous Anônimo said...

estou quase ficando louca meu filho vai fazer dois anos e não para quieto faço de tudo para ele ficar calmo mas não funciona eu vou colocar na creche para ver se ele melhora eu estou apavorada não tenho casamento,durmo com ele no quarto só dorme na penumbra,som ligado bem baixinho e não dorme direito.penso de leva-lo ao neuro não sei estou muito angustiada.

 

Postar um comentário

<< Home